Bifurcação

O muro, bifurcação

Percebo que, não sou daqui, nem sou de lá. O senso de tribo foi aniquilado em mim, pelo pugilista do Eu. Dizem: -O muro é do maligno(mas pouca sabedoria vem do popular e no fundo sabes disso) Mas daqui a realidade é tão límpida e nua. Do muro vejo as montanhas e as depressões.

Entre o cá e o lá, outrora/ por vir, profundo/superficial, moral/imoral, bem/mal é meu lar. Confesso aqui meu único medo, os extremos, ou melhor dizendo. Habitar neles.

Se me confunde, é mais profundo, pra ver outras camadas eu vou me molhar.

Por vezes a água ameaça cobrir meu nariz, não me amedronto, e mergulho, todavia o tempo que passo submerso me dá reflexões exuberantes…achei minhas moradas, isso mesmo Minhas moradas. Entre o ar rarefeito e o mar de alta pressão. Menino nessas duas habitações.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.